• Hoje: segunda-feira, agosto 19, 2019

Prefeitura de São Cristóvão diz que Rio Poxim é de responsabilidade do Governo do Estado

IMG-20190128-WA0054
J. Sousa
janeiro28/ 2019

A Agência Nacional de Água (ANA), informou que a Barragem Sindicalista Jaime Umbelino Souza (conhecida como barragem do Rio Poxim), localizada em São Cristóvão, aparece na lista das barragens com algum comprometimento estrutural importante.

A lista faz parte do último Relatório de Segurança das Barragens. O documento foi divulgado em 2017 e voltou a ser publicado na ultima sexta-feira, 25, quando a ANA informou que a Barragem de Brumadinho – que se rompeu – não estava entre aquelas com situação crítica.

Indagado pelo Portal de Notícias Rw News, sobre a responsabilidade da barragem do Rio Poxim, a assessoria de comunicação da prefeitura municipal de São Cristóvão informou que “a barragem pertence ao governo do estado e a Deso já emitiu nota sobre o acompanhamento da barragem.

Ainda segundo a assessoria, “na última semana a Prefeitura esteve com a Deso para tratar das obras de esgotamento sanitário”.

A assessoria informou ainda que a Defesa Civil do município acaba de oficializar a DESO cobrando a PLACON – Plano de Contingência da Barragem. Isso foi feito antes de Brumadinho. Quanto ao que foi dito sobre falhas na estrutura da barragem, a assessoria informou que precisa sentar com a DESO e ver o que pode ser feito.

O relatório aponta que o problema da Barragem do Rio Poxim é a fundação composta de calcário e presença de várias surgências.

Deso
A Deso informou que a barragem foi construída sobre uma formação calcarea (rocha) com algumas fissuras que permitem a passagem de água pelo subsolo. Durante a construção, conforme a Deso, essas fissuras foram tratadas com preenchimento de nata de cimento.

A Deso disse ainda que faz monitoramento constante e manutenção da barragem e que tem um contrato com o professor Demóstenes Cavalcante, um dos maiores especialistas em solos do Nordeste. No ano passado, a barragem sofreu avaliação pela ANA, que não identificou problemas.

Ainda de acordo com a Deso, a grande questão da barragem do Poxim é a proximidade com a zona urbana, o que a torna de maior risco, mas um risco controlado.

A Deso destacou que realiza monitoramentos geotécnico e geofísico, manutenção das estruturas e instrumentação, além de inspeção com consultores de barragens do Banco Mundial.

Matéria atualizada às 8h47 desta terça-feira (29).

J. Sousa

Your email address will not be published. Required fields are marked *

big banner