• Hoje: quarta-feira, novembro 21, 2018

Justiça condena Haddad a pagar R$ 200 mil por acusações não comprovadas

images (16)
J. Sousa
outubro31/ 2018

Haddad acusou Marcelo Milani de ter pedido R$ 1 milhão de propina para não mover ação. Haddad diz que ‘se restringiu a comunicar supostas irregularidades às autoridades’ e que recorrerá de decisão.

O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou o ex-prefeito da capital paulista e candidato derrotado à Presidência da República pelo PT, Fernando Haddad, a pagar R$ 200 mil reais de indenização ao promotor Marcelo Milani. A decisão é de primeira instância e cabe recurso.

Milani, do Ministério Público de São Paulo, processou Haddad após o ex-prefeito ter feito uma acusação de que o promotor teria pedido R$ 1 milhão de propina para não mover uma ação civil pública relacionada a construção do estádio do Corinthians. Segundo os autos, a declaração de Haddad foi feita em entrevista concedida a uma revista em 2017.

A acusação foi investigada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e pela Corregedoria do Ministério Público, mas nos dois casos Haddad não conseguiu comprovar a acusação.

Por meio de nota, a assessoria de Hadddad informou que a defesa ainda não foi intimada, mas que apresentará os recursos cabíveis assim que houver intimição oficial.

O juiz Fabio Fresca, da 4ª Vara Cível, considerou que “houve diversos fatos infundados, inclusive criminosos” e que a indenização é para “evitar novos fatos danoso como este”.

“Não há dúvidas de que o comportamento do requerido teve o condão de caracterizar dano moral, pois, impôs ao autor passar por situações vexatórias e delicadas, nos âmbitos profissional, familiar e social, tendo que enfrentar o descrédito da sociedade e de seus pares diante da séria acusação de corrupção passiva e prevaricação”, escreveu o desembargador.

De acordo com a assessoria de Haddad, “enquanto Prefeito de São Paulo, [a atuação dele] se restringiu a comunicar supostas irregularidades às autoridades cabíveis, sob pena de ser conivente com a situação”.

“A oitiva de testemunhas que presenciaram os fatos e que podem auxiliar no esclarecimento da verdade, como o ministro Alexandre Moraes e o desembargador Roberto Porto, foi negada pelo juiz, embora expressamente solicitada em mais de uma ocasião pela defesa”, diz nota.

G1

J. Sousa

Your email address will not be published. Required fields are marked *

big banner